Inesperado


Estacionámos num parque de um centro comercial movimentado, 5 minutos antes da hora de fecho. Ela aproximou-se de me mim beijando-me fogosamente sem qualquer aviso e ao mesmo tempo baixou o travão de mão para se poder deitar sobre o meu colo. Entre beijos sôfregos e longos, e mãos que escrupulosamente percorriam os corpos por cima da roupa que se sentia a mais, o desejo era nitidamente explicito e incisivamente fulminante sobre os nossos movimentos e olhares. Cedi e desapertei as minhas calças deixando de fora o meu pénis erecto desejoso do aconchegar daquela boca quente. Após um olhar cúmplice e cheio de certeza ela debruçou-se sobre o meu colo engolindo-me totalmente de uma só vez. O sabor daqueles lábios grossos e quentes que subtilmente envolviam e devoravam a minha carne extensa que a invadia como ela desejava e exigia. Golpe após golpe ela engolia e sugava e eu deixava-me levar soltando gemidos longos acompanhados por movimentos da minha cintura que se elevava inconscientemente levada pelo desejo que eu tinha de lhe foder a boca toda. "Mais molhado, cospe.." Dizia-lhe eu ao mesmo tempo que sentia o friccionar da mão dela que acompanhava as investidas da boca sobre o meu pénis. As minhas mãos soltas sem qualquer controlo, percorriam-lhe o corpo, ora apalpando-lhe o rabo debaixo das calças, ora segurando-lhe no cabelo ao mesmo tempo que a empurrava e puxava acima e baixo impondo-lhe o ritmo que eu queria sentir deliniado pelo prazer que estava a percorrer o meu corpo. "Mais depressa agora.. Não pares.." Ao que ela obedeceu abocanhando-me firmemente de um jeito suave e quente ao mesmo tempo que aumentou o ritmo com que me sugava. Sem ligar as famílias que passavam ao redor do carro, entreguei-me exausto ao prazer que ela magistralmente me proporcionava naquele momento deixando me vir sem restrições ou noção de espaço ou tempo, esporrando-me intensamente dentro daquela boca deliciosa. Sem qualquer reflexo da parte dela sentia-a cravar-me as unhas nas pernas ao mesmo tempo que sugava e engolia todo o sémen depositado dentro dela, deixando-me descontrolado sobre espasmos e gemidos altos, de quem estava completamente sobre o domínio do prazer que estava a receber. O único sabor que me lembro logo a seguir, foi o daquela língua envolta na minha, salgada, num beijo espesso e quente, ainda com a textura do meu sémen. Adoro perder assim o controlo..